Por que investir em Employee Experience?

Cecilia Pessoafeedback, relacoes, employee experience

Até pouco tempo, “o cliente é quem manda” era a palavra de ordem nas empresas. Nos últimos anos, um novo conceito vem marcando terreno nos departamentos de Recursos Humanos. Trata-se da Employee Experience, que resumidamente significa “cuide dos seus funcionários, que o resto acontecerá”.

Vamos à origem do termo. Por employee, tem-se o contratado, isto é, o colaborador. Por experiência, compreende-se o conhecimento adquirido através da vivência (estar ali, vendo, ouvindo e participando), em consonância com valores, sentimentos e memórias de cada pessoa. Quando pesamos nossa experiência com alguma coisa, fazemos comparações mentais e então avaliamos o impacto que aquilo nos causou, seja para o bem, seja para o mal.

Como já foi possível perceber, o termo Employee Experience traduz os diferentes aspectos que definem a experiência das pessoas no trabalho. De caráter pessoal, essas impressões variam desde o sujeito que se lembra com admiração, orgulho e saudosismo de uma organização que lhe potencializava, até aquele traumatizado com um emprego, cuja lembrança ainda lhe causa sofrimento. Portanto, voltar-se à Employee Experience significa compreender como se dá a experiência do colaborador dentro de uma organização e empreender esforços para que ela seja otimizada.

Empresas perdem talentos quando estes não são desafiados e ficam desmotivados

Da mesma forma que hoje temos acesso a um volume inconcebível de conhecimento e precisamos triar, para encontrar o que queremos, há também uma multiplicidade de empresas bacanas para se trabalhar. Como, então, atrair os melhores profissionais e reter talentos? Como fazê-los quererem trabalhar na sua empresa e não na concorrência? Investindo em Employee Experience!

Team Structure Employee Experience

Existem técnicas para garantir o bem-estar da equipe, que desenvolveremos em outro artigo. Antes, é preciso compreender que a Employee Experience está diretamente ligada ao clima organizacional, que não são sinônimos, embora sejam conceitos complementares. Pode-se dizer que o clima organizacional diz respeito ao astral do ambiente, enquanto a Employee Experience traduz o sentimento do colaborador diante deste ambiente. É como se o primeiro fosse algo externo e coletivo, enquanto o segundo é interno e individualizado.

A implementação da Employee Experience é uma maneira de pessoalizar a relação da empresa com seus membros, isto é, demonstrar-lhes sua importância individual, não apenas reduzi-los à parte de uma engrenagem. É preciso criar uma vivência de trabalho significativa, se queremos os melhores profissionais, bem como o melhor desempenho das equipes. Não há que se duvidar de que quem se sente motivado produz mais e melhor.

Para isso, é fundamental compreender que, hoje, para escolher onde trabalhar, as pessoas vão muito além do salário oferecido. Entra na avaliação critérios como a possibilidade de crescimento pessoal e profissional, a autonomia oferecida ao colaborador, as responsabilidades que lhe são atribuídas, bem como os desafios que lhe são ofertados. É muito comum perder pessoal, quando estes acreditam que entraram no modo repetição e que nada mais apreendem de novo.

É por isso que você deve se desapegar da ideia de que a Employee Experience se resume exclusivamente a um ambiente de trabalho descontraído, com sofás, games e decoração criativa. Seu significado, de fato, está muito mais relacionado à oportunidade de crescimento, à valorização do colaborador, ao reconhecimento do seu trabalho, ao aprendizado adquirido, à confiança desenvolvida através de feedbacks bem dados importância do feedback 360 contínuo, ao propósito de trabalhar ali, dentre outros.

Você deve se desapegar da ideia de que a Employee Experience se resume exclusivamente a um ambiente de trabalho descontraído, com sofás, games e decoração criativa.

Em função disso que a Employee Experience supera, em importância, a Customer Experience, pois só tratar o cliente como rei deixou de ser suficiente para uma empresa se agigantar no século XXI. O que poderia ser mais importante do que a capacidade de despertar nos colaboradores o desejo de darem o melhor de si, objetivando o maior crescimento pessoal e profissional possível? Pois é.

É por isso que essa nova tendência de Recursos Humanos, a qual a Feedback House faz coro, acredita que os colaboradores devem vir primeiro, os clientes depois. Afinal, serão eles os responsáveis em angariar fregueses que vão preferir esta, a outra empresa. Maximizar a Employee Experience, positiva, é claro, é a opção certa para fazer uma empresa deslanchar.